Em Chapadão do Sul PC e MP apresentam esclarecimentos sobre assassinato de Ingrid Lopes Ribeiro

Crime aconteceu no final do ano passado

por: Redação - 11/02/2020 13:56

 Em Chapadão do Sul PC e MP apresentam esclarecimentos sobre assassinato de Ingrid Lopes Ribeiro

Crime aconteceu no final do ano passado

Durante uma coletiva de imprensa que aconteceu na tarde de segunda-feira (10) em Chapadão do Sul, o promotor de Justiça, Dr. Matheus Cartapatti e o delegado, Dr. Felipe Machado Potter, apresentaram esclarecimentos à população quanto ao andamento das investigações sobre o assassinato de Ingrid Lopes Ribeiro, de 13 anos, ocorrido no final de 2019.

A principal suspeita de participação no crime, Tayara Caroline Silva da Silva (30), foi presa em flagrante, na época do assassinato, por ocultação de cadáver, pois o corpo foi encontrado enterrado no quintal de sua residência.

As investigações continuaram e um menor confessou ter participado da execução e revelou detalhes categóricos da participação de Tayara no assassinato. A confissão do menor levou o delegado, Dr. Potter, a pedir a prisão preventiva da mesma. No decorrer dos dias foi descoberto a gravidez da suspeita, ela passou mal e precisou ser internada, com a gravidade do estado, foi transferida para a capital e com 26 semanas de gestação, teve o parto prematuramente.

Diante disso, a prisão foi revertida para domiciliar, uma vez que o bebe estava numa incubadora. Tayara então passou a usar tornozeleira eletrônica, conforme determinou o juiz Dr. Silvio Prado. Ela ficará em prisão domiciliar pelo menos até a conclusão do inquérito policial, que de acordo com o delegado, ainda deve durar pelo menos 30 dias.

As investigações desse crime hediondo requerem toda a atenção da Polícia Civil e do Ministério Público para que o inquérito seja concluído sem nenhuma dúvida quanto à forma como foi praticado, bem como os seus responsáveis. Para isso, o delegado Dr. Potter conta com a colaboração da polícia científica na produção de provas, que somente serão reveladas após a conclusão das investigações. Oficialmente Tayara ainda não prestou depoimento, porém, extraoficialmente entrou várias vezes em contradição. O depoimento do menor ainda é o mais confiável, segundo do delegado, e coincide com as provas colhidas até o momento pelos peritos.

Com informações Diário Chapadense

 

Fonte: MS Todo Dia

Fazer download da imagem







Leia também

Dúvidas ou sugestões? Nos escreva!






contato

NOS ACOMPANHE NAS MIDIAS SOCIAIS